ACOMPANHE-ME NAS REDES SOCIAIS

Reforma trabalhista aprofunda crise

REP: A PROPOSTA DE REFORMA TRABALHISTA FOI APROVADA PELA COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, NESTA TERÇA-FEIRA, SEIS DE JUNHO. FORAM 14 VOTOS FAVORÁVEIS E 11 CONTRÁRIOS AO RELATÓRIO DO SENADOR RICARDO FERRAÇO, DO PSDB DO ESPIRITO SANTO, QUE NÃO FEZ QUALQUER ALTERAÇÃO NO TEXTO APROVADO PELA CÂMARA DOS DEPUTADOS. TODOS OS SENADORES PETISTAS QUE INTEGRAM A CAE, ENTRE ELES JOSÉ PIMENTEL, VOTARAM CONTRA O PARECER. DURANTE A DISCUSSÃO DA PROPOSTA, PIMENTEL JUSTIFICOU SEU VOTO CONTRÁRIO. OUÇA O SENADOR.

TEC (PIMENTEL): Uma das justificativas para essa monstruosidade que nós estamos praticando na relação capital e trabalho é a geração de emprego. Aqui, muitos registraram e todos nós que trabalhamos nesse segmento sabemos, de que a queda no emprego, no Brasil, não tem nada a ver com essa relação capital e trabalho. Até porque, até janeiro de 2015, nós tínhamos o pleno emprego. Portanto, não é na relação trabalhista aonde está o problema da nossa economia brasileira. É na taxa de juros. Portanto, nós estamos atirando no setor que poderia ainda alavancar nossa economia e esquecendo daquele que efetivamente é o responsável pela grande recessão, que é a taxa de juros. E, ao invés de enfrentar essa agenda que efetivamente a sociedade espera, nós enveredamos com uma outra agenda que precariza as relações entre o capital e o trabalho, liquida os sindicatos e, acima de tudo, traz um trabalho intermitente que dá total insegurança a relação entre capital e trabalho, reduz a renda, reduz o consumo. Por isso, o meu voto é não, senhor presidente, a esse parecer.

REP: A PROPOSTA APROVADA NA CAE PREVÊ, ENTRE OUTRAS MUDANÇAS, QUE OS ACORDOS FEITOS ENTRE TRABALHADORES E PATRÕES VALERÃO SOBRE AS LEIS TRABALHISTAS. TAMBÉM FOI APROVADO O CHAMADO TRABALHO INTERMITENTE, SISTEMA PELO QUAL O TRABALHADOR RECEBE SOMENTE PELAS HORAS EFETIVAMENTE TRABALHADAS. A REFORMA ADMITE AINDA QUE A TRABALHADORA GRÁVIDA E QUE ESTEJA AMAMENTANDO TRABALHE EM LOCAL INSALUBRE, ALÉM DE AUTORIZAR A JORNADA DE TRABALHO NA ESCALA 12 POR 36, MEDIANTE ACORDO INDIVIDUAL. 

REP: A REFORMA TRABALHISTA SEGUE AGORA PARA ANÁLISE NAS COMISSÕES DE ASSUNTOS SOCIAIS E CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA. EM SEGUIDA, O PROJETO PASSARÁ POR DEBATE E VOTAÇÃO NO PLENÁRIO DO SENADO. 

SIMONE TELLES, DIRETO DE BRASILIA.