ACOMPANHE-ME NAS REDES SOCIAIS

Ocupar o Brasil em defesa do Lula

Ocupar o Brasil em defesa do Lula

"Trata-se de um processo sem provas, baseada em teses ridículas, para manter o golpe continuado e tentar impedir Lula de ser canditato", alerta o senador Lindbergh Farias
Publicado no dia 14 de Julho de 2017
Image
Foto: 
Paulo Pinto

“Quem achou que é o fim do Lula, vai quebrar a cara, porque na política só quem tem o direito de decretar meu fim é o povo brasileiro” afirmou o ex-presidente durante entrevista concedida na sede do PT, em São Paulo. Falando para uma audiência online de mais de 12 milhões de pessoas, Lula anunciou sua candidatura a pré-candidato pelo partido nas próximas eleições. Em resposta a decisão do juiz Sergio Moro, divulgada ontem, Lula advertiu que a condenação é uma tentativa de tirá-lo do jogo político.

Abrindo a entrevista, o advogado Cristiano Zanin denunciou que o Ministério Público “não só não tem provas contra Lula, como despreza as provas da defesa”, citando os documentos apresentadas pela defesa e as 73 testemunhas ouvidas. Segundo Zanin, dos 962 parágrafos da sentença de Moro, apenas 5 deles são dedicados à defesa do presidente Lula. O advogado de Lula informou que a defesa vai interpor recurso contra a decisão.

 “Não vamos ficar quietos vendo povo passar fome”

Senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), presidente nacional do PT

Os senadores Lindbergh Farias (PT-RJ), Humberto Costa (PT-PE), Gleisi Hoffmann (PT-PR), Paulo Rocha(PT-PA) e José Pimental (PT-CE) participam do evento. O senador Lindbergh reafirmou a denúncia sobre o caráter político da condenação e convocou a militância à defender Lula e a democracia. “Trata-se de um processo sem provas, baseada em teses ridículas, para manter o golpe continuado e tentar impedir Lula de ser canditato”.

Acusando o juiz Sergio Moro de ser instrumento de quem quer destruir a democracia, a senadora Gleisi disse que a sentença, sem provas, é covarde. “Vamos ocupar o Brasil contra essa condenação, em defesa do Lula”, disse a senadora e presidente do PT. “Não vamos ficar quietos vendo povo passar fome”, advertiu Gleisi, convocando o partido à luta nas ruas do país.

A entrevista foi acompanhada por deputados, senadores e lideranças do PT e de movimentos sociais. Lideranças como Fernando Haddad, Miguel Rossetto, o presidente da CUT, Vagner Freitas, o líder do MTST Guilherme Boulos, a presidenta da UNE, Marianna Dias, além do escritor Raduan Nassar, estiveram presentes prestando solidariedade a Lula.

Fonte:
PT no Senado

VEJA TAMBÉM

17/11/2017

O governo de Michel Temer dá o primeiro passo para privatizar a Caixa Econômica Federal: transformá-la em uma sociedade anônima. Mantendo a política de desmonte do Estado, Temer segue a cartilha...

17/11/2017

A principal Avenida de Montevidéu, capital uruguaia, foi ocupada na manhã de quinta-feira, 16, por milhares de pessoas que participam do Encontro de Montevidéu da Jornada Continental pela...